• Susana de Sousa

As 3 lições do Deus com a Lua no cabelo


Ele tem muitos nomes. Shambo. Nataraja. Shankara. Pashupati. Rudra. Gangadhara. E mais umas dezenas... ou centenas.


Contudo, Shiva é o nome como habitualmente nos referimos a este Ser e a imagem mais comum é aquela em que o vemos a dançar num círculo de fogo.


Há uma história que para mim representa a beleza da sua força, pois integra habilmente as polaridades do feminino e do masculino.


É a história da descida do Ganges.


Tudo começou quando um grupo de eremitas brâmanes era constantemente incomodado por demónios. Os eremitas conseguiam livrar-se dos demónios, atirando-os ao oceano. Só que no dia seguinte os demónios emergiam das águas e continuavam a incomodá-los. Era um trabalho cansativo e desgastante, como quando tentamos livrar-nos de pensamentos indesejados ou de padrões inconscientes que teimam em ressurgir.


Era urgente uma solução para este problema. Os eremitas recorreram a Agastya, um santo muito famoso pelos seus milagres. Associado à luz solar, este santo também era um devorador. Para ele foi fácil engolir todo o oceano de forma a destruir os demónios.


O problema é que privou toda a terra de água. A seca ameaçou a vida no planeta e deixou os homens desesperados.


Até que um rei piedoso, Bhagiratha, decidiu pedir a Brahma (o Criador) que deixasse o rio celestial, Ganga (ou Ganges), descer à terra. Após mil anos de práticas ascéticas, o rei conseguiu o favor divino.


No entanto, se o rio caísse diretamente sobre a terra, esta seria despedaçada.


A única opção seria pedir a Shiva que amortecesse a queda do rio.


Mas quem é Shiva? Shiva é o Yôgi divino. Ele está no mundo mas está para além do mundo. No topo dos Himalaias, Shiva está isolado e entregue à meditação. Não é um ser de fácil acesso.


O rei Bhagiratha dirigiu-se aos Himalaias e aí dedicou-se às mais elevadas práticas ascéticas, para atrair a atenção de Shiva.


E resultou! Shiva aceitou receber o impacto do rio celestial. O seu emaranhado de cabelos segurou o corpo de água e dirigiu-o com suavidade para os Himalaias, donde o Ganges pôde então fluir para toda a terra.



Esta história mostra o que acontece quando eliminamos o elemento água. A água representa o feminino, as emoções, a receptividade, a fertilidade, a maternidade, o poder do inconsciente, o sonho, a imaginação.


Sem água, ficamos secos por dentro. Nada cresce, nada flui.


A energia solar representa o elemento ativo, masculino. A sua força permitiu destruir os demónios, mas foi tão extrema que deixou o mundo seco e desnutrido.


Shiva surge como uma força de conciliação. É um deus que dança num círculo de fogo mas que tem o rio Ganges e a Lua nos seus cabelos. Muitas vezes é representado simultaneamente como homem e mulher.


Desde que comecei a praticar Yôga, em 2008, fui aprofundando a minha conexão com Shiva e aprendi algumas lições que gostaria de partilhar contigo.


1ª lição: respira e desperta


A Lua no cabelos de Shiva fala da importância dos ciclos. Um dos aspectos de Shiva é o Destruidor, e para percebermos a importância da destruição temos de entender que a vida é cíclica. Não existe nada de extático e duradouro.


A Lua está associada também ao elemento água. Ela rege as marés e influencia diretamente as nossas emoções.


Não é possível alcançar o estado de elevação espiritual quando as nossas emoções andam num turbilhão. É por isso que na prática de Yôga se dá tanto ênfase às técnicas respiratórias (pránáyáma). Para além de ajudarem o praticante a expandir a bioenergia, tornam as emoções serenas de forma a permitir atingir estados de consciência superiores.


Ao colocar a Lua no seu cabelo, Shiva está a mostrar que não nega as emoções e o seu lado Yin, mas que o superou com êxito.


E esse processo está ao alcance de todos nós. Por isso se aconselha alguém que está furioso a respirar fundo.


Num mundo onde tudo é mutável, conseguimos alcançar a serenidade através da respiração.


Uma das maiores lições que aprendi com Shiva foi saber respirar de forma a superar a ansiedade que a instabilidade da vida me fazia sentir.


Experimenta comigo:


  • Respira lenta e profundamente.

  • Cessa todas as outras atividades

  • Simplesmente respira

  • E continua a respirar

  • Suavemente

  • De cada vez, esvazia mais os pulmões

  • E enche mais os pulmões

  • Tens direito a toda a Vida que pulsa em teu redor

  • Tens direito ao Absoluto

  • Respira

  • Tudo muda

  • Tudo se transforma

  • Nada é extático

  • Mas tu estás no mais profundo estado de tranquilidade.

  • Tu, simplesmente, és


2ª lição: vive a tua verdade


Uma das maiores lições deste grande Mestre é que cada um de nós tem a sua própria verdade. Assim sendo, teremos de aceitar que a verdade dos outros não é a nossa, desenvolvendo empatia, compaixão, aceitação. Mas teremos também de aprender a procurar a nossa verdade. E isso requer um trabalho profundo de autoconhecimento.


Na conexão intuitiva que gravei para o programa "Catch the Gods", Shiva transmitiu o seguinte:


Aprendam a viver em Verdade. Pois sempre que não vivem em verdade estão a construir muros e obstáculos Aprendam a identificar aquilo que é a vossa Verdade. E transponham isso para todos os vossos comportamentos, palavras e gestos.

Não é à toa que Shiva está a pisar o demónio da ignorância. Nós, humanos, somos extremamente ignorantes. O véu de ilusão que nos envolve é demasiado denso.


O acesso à verdade interna é feito através do 3º olho: o olho intuitivo, o olho que vê para além das aparências.


Busquem a Luz da Verdade e toda a ignorância irá desaparecer das vossas vidas. Tornem-se límpidos e transparentes e a Luz irá ter convosco.

E aqui aprendemos sobre a verdade que existe para além da Maya: a verdade do Absoluto, do imutável, do eterno.


E, sim, temos agora duas lições opostas: nada é extático e no entanto nada muda.


Repara na Lua. Ela muda todos os dias, certo?


Sim e não.


A percepção que temos dela é que muda. Ela não desaparece do céu nas noites de Lua Nova. Está lá e o seu corpo é exatamente o mesmo. Nós, aqui na Terra, só vemos a superfície da Lua.


Assim é com todas as coisas. Há algo de imutável para além da superfície instável.


3ª lição: encontra o equilíbrio


Estamos a viver um período de profundas transformações no que diz respeito às forças femininas e masculinas, e penso que é natural que exista muita confusão.


Nunca soubemos como lidar com a dualidade.


Tal como os eremitas que fizeram com que a terra ficasse sem água, por vezes tornamo-nos estéreis com as nossas ações precipitadas.


Também não podemos deixar as águas correrem com toda a sua força, ou seríamos esmagados pelo poder emocional e inconsciente.


Entre ambos os pólos, precisamos de um arquétipo sábio como Shiva.



Shiva é um deus que dança e que contém em si todos os aspectos. Ele pisa a ignorância (o anão debaixo do pé), a ignorância que não nos permite ver a essência das coisas, que nos divide, que nos aprisiona no mundo da Maya.


Shiva não recusa o seu aspecto masculino nem o seu aspecto feminino. Não recusa o seu aspecto criador nem o seu aspecto destruidor.


Então, como podemos aprender com ele?


Simplesmente mergulhando na sua energia: contemplando a sua imagem, entoando os seus mantras, fazendo uma prática de Yôga, escrevendo sobre ele, invocando o seu nome.


Tenho várias experiências pessoais em que simplesmente invoquei o auxílio de Shiva e houve claros indícios da sua intervenção. Que tipo de ser é ele? Não sei. Pode ser simplesmente um arquétipo, uma estrutura psíquica reforçada por séculos de invocações, práticas e reverência.


Ou pode mesmo ser um deus.


Não sei dizer-te. Apenas sei que ele se manifesta quando o chamamos e que fazendo a conexão com Shiva tornamo-nos aptos a dançar com a Vida nestes tempos de incerteza, ignorância e caos.


Quando Shiva nos ajudar a encontrar o equilíbrio dentro de nós mesmos, iremos também encontrar esse equilíbrio no mundo.


Se quiseres ajuda para mergulhar na energia deste deus, podes solicitar a conexão intuitiva que gravei para o "Catch the Gods": susana@yourselfstory.pt.


Podes também inscrever-te no programa completo e beneficiar da energia dos outros deuses para o teu processo de evolução e expansão da consciência.


>>> tudo sobre o Catch the Gods aqui



Viaja comigo nas histórias! 🍄✨🌷✨🐉✨👑


>> Subscreve aqui a newsletter do YourSELFstory para receber conteúdos exclusivos.


O que dizem desta newsletter:


“Espectacular!”

“Obrigada por seres este veículo de descoberta e autoconhecimento.”

“Wow! Adorei!”

“Susana, todas as suas mensagens vêm mesmo no momento certo.”

“Emocionante.” “Tanta LUZ!”

“Estás a funcionar como um despertador!”

“Lindo!”

0 visualização
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

© 2017 YourSELFstory

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now